da lama ao caos | Mariana, MG

5 de novembro de 2015 a Barragem de Fundão, da Mineradora Samarco rompeu, criando um mar de lama e rejeitos de minério que varreu tudo o que encontrou pela frente, até matar o Rio Doce e, finalmente o mar, já no Espírito Santo.

Dia 20 de novembro cheguei em Mariana, disposto a ver com meus próprios olhos e contar minha visão sobre essa tragédia histórica. Um dia depois, no dia 21, eu percebi que a tragédia não era a lama, nem os rejeitos, não eram os mortos, vítimas da lama, nem os desabrigados. Não eram as casas destruídas, os animais domésticos perdidos, sem casa pra voltar.

A tragédia eram as pessoas. No centro de Mariana o surrealismo de uma passeata A FAVOR da Mineradora Samarco me deixou desconcertado. E minha forma de contar essa história foi sobrepondo as duas tragédias: a da falta de empatia dos manifestantes com a tragédia da lama. Algumas vezes o mundo parece estar de ponta cabeça, noutras as similaridades são inevitáveis.

Técnicas utilizadas: captura digital Nikon, dupla exposição e sobreposição em pós-processamento. Softwares utilizados: Adobe Lightroom e Adobe Photoshop